03 – Nem sempre a lápis | Alejandra Pizarnik

Seis poemas para conhecer Alejandra Pizarnik
Tradução: Lílian Gandon

 

Conforme a crítica, a poesia de Alejandra Pizarnik tem timbres surrealistas. Mas não se trata de um surrealismo programático, ou uma poética: é a autora mesma, em sua forma de ser e de se expressar. O que se destaca na obra de Alejandra é um lirismo noturno e profundamente angustiado — traço que se refina literariamente em seu terceiro livro, Las Aventuras Perdidas, de 1958, mas que já está presente em sua obra desde o início.

 


 

Tua voz

Emboscado em minha escritura
cantas em meu poema.
Refém de tua doce voz
petrificada em minha memória.
Pássaro preso à tua fuga.
Ar tatuado por um ausente.
Relógio que bate comigo
para que nunca desperte

TU VOZ — Emboscado en mi escritura / cantas en mi poema./ Rehén de tu dulce voz / petrificada en mi memoria. / Pájaro asido a tu fuga. / Aire tatuado por un ausente. / Reloj que late conmigo / para que nunca despierte


 

O olvido

na outra margem da noite
o amor é possível

leva-me

leva-me entre as doces substâncias
que morrem a cada dia em tua memória

EL OLVIDO — en la otra orilla de la noche / el amor es posible // –llévame– // llévame entre las dulces sustancias / que mueren cada día en tu memoria

 


Voz mendiga

E ainda me atrevo a amar
o som da luz numa hora morta,
a cor do tempo num muro abandonado.

Em meu olhar o perdi todo.
É tão distante pedir. Tão perto saber que não há.

MENDIGA VOZ — Y aún me atrevo a amar / el sonido de la luz en una hora muerta, / el color del tiempo en un muro abandonado. // En mi mirada lo he perdido todo. / Es tan lejos pedir. Tan cerca saber que no hay.

 


 

Formas

não sei se pássaro ou jaula
mão assassina
ou jovem morta entre velas

ou amazona ofegando na grande garganta escura
ou silenciosa
mas talvez oral como uma fonte
talvez jocosa
ou princesa na torre mais alta.

FORMAS — no sé si pájaro o jaula / mano asesina / o joven muerta entre cirios // o amazona jadeando en la gran garganta oscura / o silenciosa / pero tal vez oral como una fuente / tal vez juglar / o princesa en la torre más alta.

 


 

Os passos perdidos 

Antes foi uma luz
em minha linguagem nascida
a poucos passos do amor.

Noite aberta. Noite presença.

LOS PASOS PERDIDOS — Antes fue una luz / en mi lenguaje nacido / a pocos pasos del amor. // Noche abierta. Noche presencia.

 


 

Sentido de sua ausência

se eu me atrevo
a olhar e dizer
é por sua sombra
unida tão suave
a meu nome
lá longe
na chuva
em minha memória
por seu rosto
que ardendo em meu poema
dispersa harmoniosamente
um perfume
ao amado rosto desaparecido

SENTIDO DE SU AUSENCIA — si yo me atrevo / a mirar y a decir / es por su sombra / unida tan suave / a mi nombre / allálejos / en la lluvia / en mi memoria / por su rostro / que ardiendo en mi poema / dispersa hermosamente / un perfume / a amado rostro desaparecido

Anúncios

Um comentário em “03 – Nem sempre a lápis | Alejandra Pizarnik

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: