17 – nem sempre a lápis | Mariana Queiroz

Quatro poemas de Mariana Queiroz

Continue lendo “17 – nem sempre a lápis | Mariana Queiroz”

Anúncios

Palavra do Editor | um labirinto urbano…

Por Lunna Guedes


 

explodiu-se-me
em cores. 

todo o resto
calou-se em rabisco,
tentativa de cinza.

 


 

Quando recebi o conjunto poético de Ylie-Samê — estiletes para cortar brumas, para publicação… respirei fundo, fechei os olhos e me preparei para caminhar a cidade de São Paulo — não a que conheço, que chega pela janela do carro, que eu chamo pelo aplicativo. Tampouco a do ônibus elétrico, que me conduz por mil hemisférios… outra.

Continue lendo “Palavra do Editor | um labirinto urbano…”

ENTREVISTA |Claudinei Vieira

…se emaranha nas palavras, se enrosca nas palavras, se perde. E gosta de , de vez em quando, se perder. Faz sentido ao termo ‘poeta’ se deslumbrar com as perdas, com as ausências, com os ecos vazios. Mas, admite que pode ser um pouco frustrante, também, a busca, a ânsia. Dolorida, igualmente. Imagina que a beleza pode ser dolorida e que, ao final e ao cabo, feliz ou infelizmente, isso também faz parte do ser poeta. E Claudinei Vieira prossegue, entre as palavras, entre as perdas, entrechoques, aff, Poeta.

Continue lendo “ENTREVISTA |Claudinei Vieira”

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑